quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Contemporaniedade



Frequento as redes sociais da internet, nelas leio pensamentos de autores muitos deles conhecidos e transformados numa roupagem nova, outros de autores famosos bem conhecidos, gravados em lindas imagens de acordo com o tema, e que acredito ser uma mostra do que o divulgador está sentindo no momento que o insere em sua página. Também vejo críticas, informações e boas piadas, e tem ainda as que divulgam a intimidade do usuário e muitas mensagens saudosistas, do tipo: Lembra-se disso? Veja como era! Você viveu isso? Usou essa marca ou recorda-se dessa música?

O antigamente é muito usado, tanto nas redes sociais como em conversas. Lembranças que acordam nostalgias, lembranças que avivam na mente o que se viveu alegre e feliz, de amores idos, às vezes até desperta arrependimento pelo que se deixou de vivenciar. Ao recordar de produtos, músicas, filmes, moda ou locais, revive-se um tempo bom ou ainda o aprendizado pelos atos errados que mostraram o caminho certo. Sim, porque penso que todos seres humanos têm um dispositivo no cérebro que não associa lembranças tristes a nenhuma coisa.  Nostalgia somente do que foi bom!

E no amanha, o que despertará a nostalgia? No hoje tudo corre nada fica por um tempo maior que estabeleça correspondência com o que se vive, com o que se usa, se ouve e se vê. Até namoro tornou-se rápido pelo “ficar” descompromissado, sem palavras amorosas ditas ao ouvido, sem juras de amor eterno enquanto dure, sem adotar uma música que faça a ligação entre corações. É o progresso.

Acabaram-se cartas ou bilhetinhos o único jeito é criar arquivos no computador onde se guardarão os emails, ou os tweets, ou as mensagens do facebook, ou as fotos digitalizadas, aquelas que nos “agora” foram criadoras de alguns momentos de felicidade. Até dar pane na máquina e tudo se perder pelo espaço virtual...

No amanha não existirá os “antigamente”. Nem nostalgia gerada por um perfume ou por um produto, nem lembranças de um amor vivido revivido por uma melodia. Planeja-se tudo com cálculos de custos e benefícios, e o que se faz espontaneamente é quase sempre impelido pelo modismo criado por meios de divulgação que induz comportamentos, e não mostram consequências Tudo no hoje tem característica volátil, inclusive sentimentos, muda-se a imagem da tela com o toque de um dedo...

O contemporâneo confirma que nada é para sempre e que tudo muda...

Mas será que o progresso não poderia desacelerar um pouco? Esse progresso que só atende à minoria privilegiada e causa carências aos menos favorecidos?

"Acredito que o homem primitivo foi mais feliz do que nós, apesar das dificuldades de sobrevivência".
Thor Heyerdahl 
• Antropólogo norueguês, explorador, zoólogo, geógrafo.

Estudou em Oslo e lutou na Segunda Guerra Mundial para expulsar os nazistas do seu país.




domingo, 6 de agosto de 2017

Timão e razão


Navegando de semana em semana,
Cruzo mares revoltos ou calmos.
Em muitas é meu o timão
Doado pela minha razão.
Em outras fico à deriva,
E morre a esperança,
E impera a descrença.
O Sol me olha do alto
E eu não O sinto....

De repente um timoneiro surge
Vindo não sei de onde
E me põe no prumo,
E corrige o rumo,
E me devolve o timão.
E me chama à razão
Para sentir o mar manso
Doando a paz do remanso.

Coração preparado
E agora destemido
A um novo turbilhão,
Pois peço em oração
Que venha o barqueiro
Trazendo o Timoneiro
Vindo hoje sei de onde...

Que nessa semana o Barqueiro te acompanhe!

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Tudo acaba




Acaba o encantamento
Acaba o querer
Acaba a festa
Acaba a felicidade
Acaba a lágrima
Acaba a dor
Acaba a saudade
A viagem acaba
A tristeza também acaba.
Acaba a ilusão
Acaba a amizade
Acaba a beleza
Acaba o laço
Acaba a emoção
E o momento acaba
E o sonho se vai
A realidade esvazia
Acaba o cenário
Fica a lembrança das idas às nuvens.

E acaba o vazio...
Pois tudo acaba e pode acabar até se permanecer...



domingo, 23 de julho de 2017

Bauzeiro vital



Guardei todos os pedaços
Os cacos e os estilhaços,
As pérolas e os rubis,
Os diamantes lapidados
E os brutos também,
As joias recebidas
Prêmios das vitórias.

E guardei...
Os fragmentos
Da carta retalhada
Num impulso de fúria
Pela dor causada
Pelo amor inútil.

Também guardei...
As pedras rústicas
Que úteis serão
Para sepultar maldades,
Aniquilar lembranças
Que machucam.

Tudo encerrado no baú
Que decora meu espaço
No endereço que viver.

Baú das minhas coisas
Somente minhas
Por mim projetadas
Imaginadas e criadas
E sem temor executadas.

Matérias que construíram
E até aqui moldaram
O ser que mostro
O ser que sou...

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Isso é...




Um grande amor que vence o tempo e a distância.

Que despreza os defeitos reconhecidos
E disponibiliza ajuda sem esperar recompensa.

Que ri e se alegra em conjunto
E chora quando você chora e te conforta.

Que ouve suas dúvidas
E vibra com suas conquistas.

Que até no silêncio se comunica
E no olhar mostra ternura e nos gestos, seu carinho.

Que caminha ao seu lado mesmo que ausente
E cala-se ao seu mau humor e compartilha sua alegria.

Que faz feliz quem o encontra
E pela vida o conserva,


Isso é... amizade!

sábado, 15 de julho de 2017

Vou por aqui





Vou por aqui
Sigo adiante
Miro longe
Vejo o horizonte
Chegarei nele
Por aqui?

Um atalho me chama
Atraente e sedutor
Com promessa
De facilidade
De felicidade
De sucesso.

Ao labirinto me leva
Sem horizonte
Lutar é preciso
Superar obstáculos
Combater e aprender
Vencer!

Vou por ali
Levando bagagem adquirida
Com sabedoria aprendida
Traço o caminho pretendido
Ciente das pedras contidas
Fortalecida na fé.

É o meu caminho.


quarta-feira, 5 de julho de 2017

Errar errando






Viver é aprender sempre,
Aprender sem sofrer não deixa marca,
É uma leve brisa que passa.
Não causa mudanças.
Erros ensinam a apreender.
Mágoa faz refletir o merecer.
Amar sem sofrer não é amar.
Quem ama sofre e fim.
Sofre por saudades,
Sofre por desilusão,
Sofre para não causar sofrimentos,
Tudo derivado por erros.
Amor, amizade, confiança, não se perde,
É jogado fora por erros não assumidos
Levando a oportunidade de se aprender
E crescer e aprimorar seu ser.
Viver e não aprender não é viver.
Viver e aprender só se ao sofrimento sobreviver.
E a cada aprendizagem vivida e sentida, um renascer. 


quinta-feira, 29 de junho de 2017

Quando a desilusão passar



Ser alegre irei voltar
Como fui pelos dias
Num meio em que alegrias
Faziam o coração sonhar.

Será um retorno
Ao elo perdido,
Sem transtorno,
Sem dor e sem colorido.

Aos poucos a luz presente se fará
Amainará lembranças
E trará esperanças
Que a cor voltará.

Se não voltar,
Outras cores buscarei
Por cantos que passarei
Somente a passear.

Sem ilusões ou aspirações,
Mas disponível às emoções.
Sem devaneios
Nem anseios.

Sem buscas,
Sem imaginar merecidas trocas...


domingo, 18 de junho de 2017

Se tiver que haver adeus...




Se houve amor, houve paixão ou houve amizade,
Que seja adeus sem rancor.

Se tiver que haver adeus,
Que seja adeus suave.

Se tiver que haver adeus,
Que seja adeus generoso e deixe as lembranças felizes.

Se tiver que haver adeus,
Que seja adeus piedoso e destrua recordações tristes.

Se tiver que haver adeus,
Que seja adeus sem lágrimas.

Se tiver que haver adeus,
Que seja adeus que leve o que lhe foi ofertado.

Se tiver que haver adeus,
Que seja adeus com abraço amigo.





quarta-feira, 14 de junho de 2017

Início ou fim?



Ela brinca com o aro da aliança, a faz rolar pela mesa ou rodopiar em torno de um eixo imaginário gerando uma esfera dourada.

Aliança de casamento, dentro gravado o nome dele e a data que aconteceu o sim oficial. O olhar fixo modifica as formas que se desenham pelos movimentos. O pensamento nas lembranças passadas e nas de hoje.

A aliança rodando vence o espaço até perder o impulso e tombar sobre a mesa. Antes do sim oficial, outros sim’s aconteceram sem aliança, que não viveu esses dias, não percorreu esses espaços, não tombou neles.

A cada queda da aliança ela a incentiva com novo impulso que novamente a leva percorrer outro espaço, ou rodopiar numa área restrita. Como ela rodopia em alguns dias sentindo-se no centro da esfera gerada pelos movimentos e presa ao seu eixo. Eixo fálico, a natureza e a continuidade. Ele, ela e a aliança.

Agora ela tem a aliança presa entre os dedos. Movimenta-a e observa.

Onde é o início e onde está o fim dela? Existe um fim numa aliança? Tem que haver, tudo tem início e fim, a vida, o amor, um relacionamento, somente na aliança não acontece um fim? Como se desfaz uma aliança para se chegar ao seu fim? Talvez seja o ponto onde termina seu nome gravado. Ou ali é o início, ou o fim do início, ou o início do fim?



Que todo fim possa ser um início...


domingo, 4 de junho de 2017

Onde está a felicidade?


"A procura da felicidade"-Leila Luli

Procurei-a...

Pelos amores
Pelos prazeres
Pelos cantos e recantos
Nos abraços e beijos
Na alegria do riso fácil
Na roupa e joias cobiçadas
Assim como nos perfumes caros
Pelos sucessos e conquistas
Pelas amizades verdadeiras
Pelas notas musicais
Nos poemas
Pelos paladares refinados
Pela natureza, no mar e nas estrelas
Nos desafios
No sorriso da criança
Na solidariedade
No egoísmo
No autoconhecimento
Nos sonhos.

E na procura encontrei...

Momentos e até dias felizes e sorri.
Injustiça e incompreensão e chorei.
Mais dor e lágrimas que sorrisos.
Desilusão...

Onde está a felicidade?
Felicidade constante,
Só felicidade?

Finalmente encontrei a plenitude dela:
Felicidade está nas lembranças.
Revivendo os tempos felizes,
Desprezando os que não foram.
Folheando o álbum de recordações,
Trazendo o feliz do ontem
Para ensinar o agora
Incentivando o amanha...


quinta-feira, 11 de maio de 2017

Vida vivida e vida sonhada



Vivo!
Vivo e penso.
Pensamentos reais,
Concretos.

Vida vivida consciente
Onde a realidade é crua,
Dura,
Mesclada de prazeres,
Poucos.

Viver e sonhar
Necessidade intrínseca.
Viver e sonhar amor.
Imaginar e tornar real.

Sonhar a vida
Repleta de alegrias,
Plena.
Desligar o mundo
Encontrar a verdade.

Vida sonhada,
Oculta.
Necessária.
Complementar.

Complexidade do ser.
Dom recebido.
Ou inspiração?


domingo, 23 de abril de 2017

Trilogia: O Imprevisto, os caminhos e a decisão





Vida, por que me apresenta dois ou mais caminhos na hora de uma decisão?
E por que me brinda com imprevistos que pedem soluções?
Com isso arma em mim, uma batalha.
É a razão optando pelo mais fácil, o óbvio, aquele que se espera seja o escolhido.
E vem a emoção carregando princípios contumazes aplaudindo a escolha...

Mas a intrometida da dúvida surge e a perturbação acontece,
Então chamo a imaginação que diz à razão:
Vamos analisar as consequências dos futuros caminhar pelos trajetos sugeridos.
Como ela é parte de mim, conhece bem meus quereres e minhas necessidades,
A deixo solta e unida à razão para desenhar todas as possibilidades.

E as duas mostram com clareza, que o que é o mais fácil hoje, poderá ser o mais difícil no futuro...
Enfrentar os problemas agora é a indicação que as duas, apoiadas timidamente, pela emoção, concluem.
Visto minha armadura e parto para o confronto com as feras, que sei existirem pelo caminho...

Um homem não é outra coisa senão o que faz de si mesmo.

terça-feira, 18 de abril de 2017

Existências



Existe sombra existe treva existe luz.           
Existe chama existe brasa existe água.
Existe plural existe singular existe uno.
Existe paixão existe entrega existe nada.
Existe jogo existe luta existe vitória.
Existe encanto existe mágoa existe perdão.
Existe gula existe fome existe pão.
Existe calmaria existe guerra existe paz.
Existe doação existe sofrer existe fruto.
Existe amor existe dor existe flor.
Existe tudo, pois existe Deus.